1. compromisso.
  2. Lembrou-me agora aquele compromisso.
  3. Esqueceu-me agora aquele compromisso.
  4. “Nunca me hão de esquecer o carmim da boca, a cor das faces.” (Castilho)
  5. “Tiroteios vivos que lembram combates.
  6. “Lembra-vos ainda a minha teoria das edições humanas? “(Rui Barbosa)
  7. “Naquele dia se esquecera das prudentes preocupações.” (Mário Barreto)
  8. Lembrou o dia da prestação ao marido.
  9. Lembro o horário da aula aos filhos.
  10. Lembro um caso antigo.
  11. Esqueci-me o nome dele.
  12. Lembrei-o de chegar a tempo ao local.
  13. “Nunca me esqueceu esse fenômeno.” (Machado de Assis)
  14. “Lembro-me que não chorei.” (Machado de Assis)
  15. “Ainda me lembram as palavras dele.” (Mário Barreto)
  16. Vou lembrá-lo de sair desse grupo.
  17. Lembraram-nos de levar flores à aniversariante.
  18.  Lembro-me de um caso antigo.
  19. Lembrei minha mãe de pagar as contas.

     
3.REGÊNCIA NOMINAL
Regência Nominal é o nome da relação entre um substantivo, adjetivo ou advérbio transitivo e seu respectivo complemento nominal. Essa relação é intermediada por uma preposição. No estudo da regência nominal, deve-se levar em conta que muitos nomes seguem exatamente o mesmo regime dos verbos correspondentes. Conhecer o regime de um verbo significa, nesses casos, conhecer o regime dos nomes cognatos.  

- alheio a, de 
- liberal com
- ambicioso de
- apto a, para       
- análogo a
- grato 
- bacharel em 
- indeciso em 
- capacidade de, para 
- natural de
- contemporâneo a, de   
- nocivo a
- contíguo     
- paralelo 
- curioso a, de  
- propício a
- falto de  
- sensível 
- incompatível com 
- próximo a, de
- inepto para
- satisfeito com, de, em, por 
- misericordioso com, para com
- suspeito de 
- preferível 
- longe de 
- propenso a, para   
- perto de 
- hábil em   

REGÊNCIA NOMINAL
 
Estabeleça a regência correta com a preposição adequada:
 1) Já se considerava adaptado(à/com) vida de funcionário público.      
 2) Aflito(com/à) a doença da filha, não conseguia trabalhar.
 3) Permanecia alheio(à/a) toda e qualquer proposta de trabalho.
 4) Não se sentia apto(a/à) fazer o curso de engenharia.
 5) Fizeram alusão(a/à) vida íntima do presidente.
 6) Viajar é preferível(do que/a) trabalhar.
 7) Meus avós era devotos(por/de) Padre Cícero.
 8) Estavam propensos(a/em) dar o aumento reivindicado.
 9) Não se pode ficar imune(com/a)todas as bactérias.
 10) Imbuído(de/com) bons propósitos, negociou com os funcionários.
 11) Para a maioria dos jovens, estudar é compatível(com/a) ouvir música.
 12) Está acostumado(a/por) tudo que é ilícito.
 13) Ele é avesso(por/a) estrangeiros.
 14) Os políticos estão alienados(pelos/dos) problemas econômicos.
 15) O garoto é sensível (por/à) penicilina.
 16) O carro está próximo(da/a) esquina.
 17) Não dormir bem é prejudicial(para/ao) organismo.
 18) Esse computador já não é útil(para/na) empresa.
 19) O funcionário é leal(ao/para) seu patrão.
 20) O eleitor está indeciso(em/por) votar nas eleições.
 21) Tinha necessidade(de/em) sair todos os dias.
 22) Ela é grata(com/a) seus pais por tudo.
 23) O rapaz é hábil(à/em) engenharia elétrica.
 24) O bebê era habituado(em/a) chupar bico.
 25) Ela tem simpatia(pelo/ao) rapaz.
 26) Ele é fiel(aos/por) seus ideais.
 27) A professora é querida(por/a) todos os seus alunos.
 28) Essa demora é um desrespeito(com/aos) clientes.
 29) A mãe é estranha(com/ao) filho.
 30) Estou ansioso(para/por) chegar o fim do ano.  

ATENÇÃO!!!

CUIDADO COM O SUJEITO SEPARADO DO PREDICADO POR VÍRGULA: neste caso, não há quem aceite:  
O homem do campo, precisa de  mais atenção do governo.( Erro grave. O candidato perde uns bons pontos cometendo este engano. O sujeito está separado do predicado por vírgula.) A vida do homem urbano, é preocupante. ( SOCOOORRO! Olhem a vírgula separando o sujeito do predicado. )

Corrigindo
: O homem do campo precisa de mais atenção do governo.
A vida do homem urbano é preocupante.

VOZ PASSIVA SINTÉTICA:
A Língua Padrão exige que o verbo concorde com o termo que a gramática aponta como sujeito posposto, ficando ora na terceira pessoa do singular( suj. no singular; ora na terceira pessoa do plural, suj. plural. )

Alugam-se casas.  Se: pronome apassivador. Corresponde a: Casas são alugadas: voz passiva analítica, sem agente da passiva  expresso.
Vendem-se apartamentos.( Apartamentos são alugados.) Fazem-se chaves.( Chaves são feitas. )  

OBSERVAR QUE O VERBO É TRANSITIVO DIRETO E, NESSES CASOS,DEIXA –O  DE SER. COM VERBOS DE OUTRAS TRANSITIVIDADES, FORMAMOS ORAÇÕES COM SUJEITO INDETERMINADO:  
Vive-se bem em lugares bucólicos. VIVE:V. INTRANS.–SE: índice de indeterminação do sujeito.( O verbo vem na 3ª pessoa do singular, mas é impessoal.)


Necessita
-se de um bom motorista. NECESSITA: V. T IND.
 

Ofereceu
-se um jantar ao Ministro da Educação .OFERECEU: V. T. D. E IND.


É
-se feliz em cidades menores. É: V. DE LIGAÇÃO.
                                             

IX. CAPITULO    

COLOCAÇÃO PRONOMINAL


Os pronomes pessoais oblíquos átonos: me, te, se, o, a, os ,as, lhe, nos, vos, se, os as, lhes  são determinados de pronomes clíticos, pois não têm autonomia fonética nem existem sozinhos. Estão ligados ao VERBO, por isso são chamados pronomes clíticos, ou sejam que se apoiam em outra classe gramatical.  A posição normal deles seria empregá-lo sempre depois do verbo, na forma enclítica ou formando ÊNCLISE, entretanto, em nossa oralidade, ou em construções de escritores mais modernos, encontramo-los em deslocamento, ou seja, antes do verbo, proclítico ou formando o que denominamos, PRÓCLISE. Só em Gramática, nas aulas do professor que prepara alunos para concursos e nos textos de quem faz concurso, encontramos preocupação com o emprego correto da colocação pronominal, já que se trata de tema complexo que divide opiniões.    É preciso lembrar que esses pronomes átonos possuem a função sintática de complementos verbais, por isso, existem algumas regras que determinam sua colocação em relação ao verbo. Vamos analisá-las individualmente, esclarecendo que eles podem ser:
  1. PROCLÍTICOS;
  2. ENCLÍTICOS;
  3. MESOCLÍTICOS.
?  Ênclise –colocação do pronome depois do verbo ao qual se liga por hífen. Destacamos os casos mais comuns:
a) Quando o verbo aparecer no início da oração: Emprestou-me o carro.
b) Quando o verbo estiver no imperativo afirmativo: Traga-me o carro!
c) Quando o verbo estiver no gerúndio: Ele quis ajudar, trazendo- me o carro.
d) Quando o verbo estiver no infinitivo pessoal: Ele precisa trazer-me o carro.

Próclise –deslocamento para o pronome que passa a vir antes do verbo, dispensandopois, o uso do hífen. Ocorre nos seguintes casos:
 
a) Na presença de palavras ou locuções de sentido negativo: não, nunca, jamais;
Não me trouxe de carro como prometera.
Ninguém nos ajudou.

Nada o perturba.
Nunca se queixa de nada.

b) Na presença de advérbios:
Amanhã me trarão o carro.
Sempre me lembro dele.
Já se abrem as portas.
Bem se vê que ele não entendeu nada.               
MAS Amanhã, traga-me o carro. (Na presença da vírgula, recomenda-se o uso da ênclise)  

c) Na presença de pronomes relativos:

O carro que lhe emprestei foi devolvido.
Há pessoas que nos querem bem.
Conheci o homem por quem te apaixonaste.  

d) Na presença de pronomes indefinidos:

Alguém nos trouxe o carro.
Tudo se acaba.
Ignoro de quem se trata.
Algo o incomoda.
Todos te obedecerão.

e) Na presença de pronomes demonstrativos neutros 
e alguns outros pronomes, dependendo da entonação frasal, o que leva   o emprego do pronome  para uma opção facultativa:
Isso me irrita muito.
Eu a vejo todo dia.  

f) Na presença de conjunções e locuções subordinativas:

Estou feliz, porque me pediu em casamento.
Quando nos viu, afastou-se.
É justo que o ampare.  

g) Na presença de enunciados que expressem perguntas diretas:

Quem lhe emprestará o carro?
Quando me visitas?
Por que vos entristeceis?

h) Nas orações optativas:
Deus o guarde! Os céus te favoreçam. A terra lhe seja leve.

I)Nas orações exclamativas:

Como te iludes!
Quanto nos custa dizer a verdade!

Mesóclise:  pronome entre o radical e as desinências de tempo. Tipo de colocação pronominal em desuso devido ao fato de a oralidade estar dominando a escrita em nosso país onde poucos fazem uso da Língua Culta, usada quase que  apenas na Gramática, nos documentos oficiais e nos concursos públicos. É raro que um escritor contemporâneo faça uso dessa colocação pronominal tão bem usada por Machado de assis.    

Usamo-la quando  o verbo estiver no futuro do presente ou no futuro do pretérito sem precedência de palavras que atraiam o pronome (advérbios, pronomes relativos, palavras com sentido negativo, pronomes demonstrativos neutros, pronomes indefinidos, conjunções e locuções subordinativas).

Emprestar-me-ão o carro amanhã.
Devolver-nos-ão o dinheiro.
Devolver-nos-ão o dinheiro.
Sentir-me-ei feliz com sua presença.      

ATENÇÃO!!! 

COLOCAÇÃO PRONOMINAL  NAS LOCUÇÕES VERBAIS:


Nas locuções verbais podem os pronomes átonos, conforme as circunstâncias, em próclise aos dois verbos ou ao  ênclise, ora ao verbo auxiliar, ora à forma nominal, em se tratando da Língua Culta. No caso da Língua prosaica, ele é usado solto entre os dois verbos.
 

1º)VERBO AUXILIAR+ INFINITIVO:


Ex.: Devo- me calar ou devo calar-me ou devo-me calar ( marca de oralidade.) Não devo calar-me. ( A ênclise ao infinitivo é  uma construção que proporciona boa entonação ao texto. É sempre bem-vinda.  

Ou não me devo calar ou não devo me calar (marca de  oralidade. )
 

Mandei-os entrar.  Não o podes ajudar. Não podes ajudá-lo.( Três exemplos de Língua Culta.)


Queriam enganar-me  ou queriam-me enganar  ou queriam me enganar ( marca de oralidade.)


Não queriam enganar-me  ou não me queriam enganar. O pronome proclítico aos dois verbos é muito comum no português europeu.)
“ Não posso me confessar...” ( C. D. A. “
“ Já sabemos nos defender.” ( G. Rosa )
“....posso lhe mandar algumas.” ( Martins Pena)Na fala brasileira, como atestam os três últimos exemplos, os pronomes átonos acostam-se, em geral, ao infinitivo.

* VERBO AUXILIAR= PREPOSIÇÃO = INFINITIVO
:


Ex.: Há de acostumar-se   ou há de se acostumar.
Não se há de acostumar-se  ou  não há de acostumar-se. Deixou de visitá-lo  ou deixou de o visitar. Não o deixou de visitar ou não deixou de visitá-lo  ou não deixou de o visitar.
  • São muitas as opções de colocação pronominal, mas  A ÊNCLISE AO INFINITIVO ROUBA A ENTONAÇÃO FRASAL. Realmente, torna a construção mais bonita.
  2º) VERBO   AUXILIAR+  GERÚNDIO:

Usa-se ênclise ao gerúndio ou ênclise ao primeiro verbo ou próclise aos dois verbos. 
Solto entre os dois verbos cai no caso da Língua informal.
Vou arrastando-me ou vou-me arrastando  ou vou me arrastando.( Oralidade. )  

 Não me vou arrastando ou vou-me arrastando  ou vou arrastando-me  ou vou me arrastando. ( oralidade.) 

As sombras foram-se dissipando ou as sombras se foram dissipando  ou as sombras foram dissipando-se.

Oralidade: As sombras foram se dissipando.  

Não o estou criticando  ou não estou criticando-o.

Estava-o lendo há pouco  ou estava lendo-o há pouco.
“ A tarde ia-se tornando lindíssima.” ( Cecília Meireles )
“ Cada vez mais ela se ia transformando.”( José L. do Rego )
“ Meus olhos iam  se enchendo de lágrimas.” ( Rachel de Queirós)
“ Você está me machucando.” ( Fernando Sabino )    

EXERCÍCIOS DE COLOCAÇÃO PRONOMINAL

1.Assinale o único período em que há erro de colocação pronominal, corrija e justifique:  
  1. Enquanto se absteve de beber e fumar, sua saúde melhorou.
  2. Plantações de cana de açúcar estendiam-se até a linha do horizonte. 
  3. Ele não é um bom escritor, embora reconheça-lhes algumas qualidades.
  4. Quando a patroa limpa a louça, ela o faz com extremo cuidado.  

     

    2.Assinale o único período em que a mesóclise é inadequada:
  1. Sentir-me-ia mais aliviado, se conseguisse chorar um pouco.
  2. Se mergulhares um pano vermelho neste rio, retirá-lo-ás cheios de piranhas.
  3. Dir-se-ia que pairava sobre nós uma divindade funesta.
  4. Nada contentá-lo-á enquanto não tiver a paz interior.

     

    3.Assinale as duas frases em que a colocação pronominal não está de acordo com o padrão culto. Corrija e justifique
  1. Caberia-lhe então mostrar patriotismo e competência.
  2. Será preciso refazer a estrada, modificando-lhe o traçado. 
  3. Me disseram que a cachoeira de Sete Quedas sumiu rio abaixo, levada pelo progresso.

     

    4.Coloque corretamente junto aos verbos grifados os pronomes entre parênteses:   
  1. Detive para ouvir melhor. (me)
  2. Nenhum obstáculo fará recuar. (nos)
  3. Jacinto não entendeu o que Sônia disse. (lhe)
  4. Quando ele enfurece, não há nada que detenha. (se – o)
  5. Bem  que não preocupas com essas coisas  (se – te)
  6. Como custa perdoar uma ofensa! (nos)
  7. Viesse donde viesse, receberíamos com a alegria de sempre. (o)
  8.  Lembra de nós – disse o padrinho, despedindo. (te – se)
  9.  Retirarei, se recusais a ouvir-me (me – vos)  
  10. Talvez dali por diante agisse de outro modo, acautelasse contra pessoas inescrupulosas. (se)
  11. Mais depressa apanha um mentiroso do que um coxo. (se)
  12. Tudo encantava dizia que a vida é bela. (a – lhe)
  13. Acenderam fogueiras, onde assaram batatas-doces. (se – se)
  14. Só direi isto: Ivone, jamais esquecerei de você! (lhe – me)   
  15. A avó gosta dos netos, trata com carinho, alegra quando . (os – se – os)
  16. Trataria de objetos voadores não-identificados? (se)
  17. Teriam falado a meu respeito? (lhe)
  18. E se eu houvesse enganado? (me)
  19. Era um vidrinho de perfume cuja essência já tinha evaporado. (se)
  20. Haviam procurado em toda a parte. (o)
  21. Tendo o menino distraído na rua, não assistiu à primeira aula. (se)
  22. Teria mordido algum cachorro? (o)
  23. Várias pessoas já tinham ido ver. (o)
  24. Era como se tivesse ido muito longe, ou escondido atrás de uma parede muito grossa. (se)
  25. Ela aplaudia a transformação que ia operando em mim. (se) 
  26. O marido está aconselhando a desistir da viagem. (a)
  27. Cada vez mais eles foram distanciando de nós (se)
  28. Eu deveria reunir a eles para a escalada do morro. (me)

    5.Numere os períodos de acordo com as regras de colocação pronominal estudadas:

    (1) Próclise                         (2) Mesóclise     (3) Ênclise

    (   ) Deus o acompanhe!

    (   ) Por que se preocupa tanto com essas coisas?

    (   ) Não a vejo há muito tempo.

    (   ) Ficar-lhe-ei grato por esse favor.

    (   ) Distraímo-nos ouvindo música.

    (   ) Tornei a visitá-los três meses depois.

    (   ) Fiquei olhando o carteiro, que se aproximava.

    (   ) Pedi licença para me retirar (ou retirar-me).

    (   ) Como a gente se engana!

    (   ) A mãe correu para as filhas, beijando-as muito.

    (   ) Pedi que os guardasse em lugar seguro.

    (   ) Procure seu irmão e peça-lhe desculpas.

    (   ) Várias pessoas já me disseram isso.

    (   ) Rugas precoces instalaram-se no rosto dele.

    (   ) Tudo nos leva a crer que João é inocente.

    (   ) Autorizaram-me a entrar.

    (   ) Não te metas nisto.

    (   ) Amai-vos uns aos outros.

    (   ) Organizar-se-á uma equipe.

    (   ) Todos o admiram

    (   ) Sustive-a na palma da mão.

    (   ) Quem os ajudará?

    (   ) Trata-os com muito respeito.

    (   ) Comprar-lhe-ia roupa nova.

    (   ) Não lhes acho graça!

    (   ) Aprontamo-nos rapidamente.

    (   ) É um prazer ouvi-lo falar.

     

    6.Justifique a próclise:
  1. Ninguém lhe resiste.
  2. Quando me lembrei, já era tarde.
  3. Preciso de alguém que me oriente.
  4. Pedi que se afastassem.
  5. Não se nega um copo d’água.
  6. São pessoas com quem nos identificamos.

     

    7.Nos exemplos seguintes há outras opções para a colocação dos pronomes átonos. Dê todas as colocações lícitas:
  1. Soube que estavam sozinhos: vim para os ajudar.
  2. Eu aproximava-me deles com certo receio.
  3. Os ingressos para o jogo podem-se comprar aqui.
  4. Os homens devem-se amar uns aos outros.
  5. A tarde ia-se tornando lindíssima.
  6. Uma saudade funda lhe aperta o coração.
  7. Viúva acusa investigador de ter-se apoderado de sua fortuna.
  8. Naquele tempo a escuridão se ia dissipando, vagarosa. 
  9. Não me quis dizer o que era.

     

    NOVOS EXERCÍCIOS DE COLOCAÇÃO PRONOMINAL

    1) Assinale a frase com erro de colocação pronominal: 
    a)  Tudo se acaba com a morte, menos a saudade.        c)  João tem-se interessado por suas novas atividades. 
    b)  Com muito prazer, se soubesse, explicaria-lhe tudo.  d)  Ele estava preparando-se para o vestibular de Direito.


     

    2) Assinale a frase com erro de colocação pronominal: 
    a)  Tudo me era completamente indiferente.                        c)  Este casamento não deve realizar-se.
    b)  Ela  não me deixou concluir a frase.                  d)  Ninguém havia lembrado-me de fazer as reservas.



    3) Assinale a frase incorreta: 
    a)  Nunca mais encontrei o colega que me emprestou o livro.  c)  Faça boa viagem! Deus proteja-o.  
    b)  Retiramo-nos do salão, deixando-os sós.   d)  Não quero magoar-te, porém não posso deixar de te dizer a verdade.


     

    4) O funcionário que se inscreve, fará prova amanhã:                      a)  Correta apenas a 1ª  afirmativa

    1. Ocorre próclise em função do pronome relativo.                                        b)  Apenas a  2ª é correta

    2. Deveria ocorrer ênclise.                                                                                     c)  São corretas a  1ª e a 3ª  
    3. A mesóclise é impraticável.                                                                               d) A 4ª é a única correta
    4. Tanto a ênclise quanto a próclise são aceitáveis.  


      
    5) Assinale a colocação inaceitável: 
    a)  Maria Oliva convidou-o.                                                      c)  Situar-se-ia Orfeu numa gafieira?
    b)  Se abre a porta da caleça por dentro.                              d) D. Pedro II o convidou.


     

    6) O pronome pessoal oblíquo átono está bem colocado em um só dos períodos. Qual? 
    a)  Isto me não diz respeito! Respondeu-me ele, afetadamente.  
    b)  Segundo deliberou-se na sessão, espero que todos apresentem-se na hora conveniente.  
    c)  Os conselhos que dão-nos os pais, levamo-los em conta mais tarde.  
    d)  Amanhã contar-lhe-ei por que peripécias consegui não envolver-me.


     

    7) Estas conservas são para nós __________ durante o inverno. 
    Assinale a alternativa que completa corretamente a lacuna: 
    a)  alimentarmos- nos       b)  alimentar- mo- nos     c)  nos alimentarmos   d)  nos alimentarmo- nos


     

    8) Caso _______ lá, _______, para que não _______ 
    Assinale a alternativa que completa corretamente as lacunas: 


    a)  se demoram, avisem-nos, nos preocupemos                 c)  demorem-se, nos avisem, preocupemo-nos
    b)  se demorem, avisem-nos, preocupemo-nos                   d)  demorem-se, nos avisem, nos preocupemos


     

    9) Do lugar onde _______, ______um belo panorama, em que o céu ________com a terra 
    a)  se encontrava, se divisava, ligava-se                                c)  se encontravam, divisava-se, se ligava


    b)  se encontravam, se divisava, ligava-se                            d)  encontravam-se, divisava-se, se ligava

     

    10) O pronome está mal colocado em apenas um  dos períodos. Identifique-o: 
    a)  Finalmente entendemos que aquela não era a estante onde deveriam-se colocar cristais 
    b)  Ninguém nos falou, outrora, com tanta sinceridade  
    c)  Não se vá, custa-lhe ficar um pouco mais?  
    d)  A mão que te estendemos é amiga


     

     

     

     

     

     

     

     
X. CAPITULO 5.CRASE   1. DEFINIÇÃO:                Crase é a fusão ou contração de dois fonemas iguais (AA) em um só (A). Na escrita indica-se a ocorrência de crase com acento grave: À.                  Observe:                                 Dirigiram-se a + a cidade.                                              Era muito dedicado a + a filha estudante.                                                                           Agradeçamos a + a moça da esquerda.  
  • O primeiro a é a preposição exigida pelo termo de sentido incompleto chamado regente.
  • O segundo a é o artigo feminino singular que aparece antes de substantivo feminino singular.

     

                   Era contrário a + as imposições paternas.

     

                   Obedeciam a + as leis.

     

                   Era totalmente indiferente a + as opiniões alheias.
  • a: preposição que é exigida pelo termo de sentido incompleto (regente).
  • as: artigo feminino plural que aparece antes do substantivo feminino plural.

     

    Fundindo-se os dois, temos crase.

     

                   Dirigiram-se à cidade.

     

                   Era muito dedicado à  filha estudante.

     

                   Agradeçamos à moça da esquerda.

     

                   Era contrário às imposições paternas.

     

                   Obedeciam às leis.

                  

    Ninguém é insensível  à dor.

     

    Exige-se a assistência às aulas.

     

    Procedeu-se à apuração dos votos.

     

    Devemos aliar a teoria à prática.

     

    Avançamos rentes à parede.

     

     

     

     

     

    RESUMINDO
 

A          +           A          =           À                                                                                                                                       prep.                    art.                    crase  

 A          +           AS          =         ÀS                                                                                                                                      prep.                    art.                    crase    

2. CASOS EM QUE NÃO OCORRE CRASE
              
 Vimos que dois elementos são necessários para ocorrência de crase:                              
 a) palavra regente de sentido incompleto que venha seguida da preposição A.
                                            
 b) artigo definido feminino singular ou plural.  Assim, nos casos a seguir, não pode ocorrer crase, pois eles não admitem o artigo definido feminino.  

2.1. Pronomes Indefinidos:
                              
Não pode dedicar-se a alguma atividade mais honrosa
 

2.2. Palavras repetidas:
                              
Ponta a ponta/ dia a dia/ uma a uma/ gota a gota                                 
Encontram-se frente a frente, mas desistem de brigar.
 

2.3. Nomes masculinos:
                             
 
Não faça a redação a lápis.
                                
Cuidado ao andar a cavalo.
                                
Isso cheira a vinho.
                             
Juntos íamos a baile e a teatro.                              
Compra a prazo.   Admirei os quadros a óleo.                              
Irei a Ouro Preto.   *Entretanto, se os nomes masculinos, referentes a localidade, ou mesmo os femininos que repelem a crase, vierem seguidos de DETERMINATIVOS, eles receberão crase.                 Irei à Ouro Preto dos audaciosos Inconfidentes.(*  Vim da Ouro Preto dos audaciosos Inconfidentes. )                               Fui à Roma dos grandes Imperadores.( Vim da Roma dos grandes Imperadores. )  

2.4. Verbos:
                             
 Pôs-se a falar e a afirmar coisas desconexas.
                               
 Estamos dispostos a trabalhar.
 

2.5. "Casa", 
a não ser que esteja especificada:
                              
Voltei muito tarde a casa. ( vim de casa muito tarde.)
                             
 Ou: 
De onde você veio? (Vim de casa. )
               mas:      “Catifunda dirigiu-se à casa de Boleslau.”( A palavra casa, vindo acompanhada de DETERMINATIVO, terá crase no “a “: Vou à casa de minha sogra. ( Vim da casa de minha sogra. )                               Fui à Casa Açucena.  Pertencia à casa dos Braganças.  

2.6. Pronomes:
 
cuja, quem, ela, esta, mim, V. Sa., V. Exa., S. Sa., etc.
                             
Ela era a mulher a quem dei meu amor e a cuja afeição visava.
                                
Entreguei a ela meu coração. Ela entregou a mim a solução de seus problemas.
 

Nota:
Senhora, Senhorita, Madame, Dona:               
 Estes pronomes admitem artigo definido feminino singular. Logo, admitem crase.                                 Referi-me à senhora sua mãe.  

Observação
:
               
Jamais ocorre crase se o "a" (singular) estiver acompanhando um substantivo plural, pois nesse caso não existe artigo:
                              .                                           Não me refiro a atividades desonestas.                                               Temos assistido a cenas horríveis.                                             Não vai a festas nem a reuniões.                                             Fechou o parque a visitas.  

2.7. Também não a crase antes de nomes com sentido indeterminado:
                                            
Tudo cheirava a velhice.
                                            
Não confia a pessoa alguma os seus  dados.
 

MODO PRÁTICO PARA VERIFICAR SE OCORRE CRASE
 DIANTE DE FEMININO  A(S) + NOME FEMININO  DIANTE DE MASCULINO AO(S) + NOME MASCULINO  
Exemplos:                               
O fumo é prejudicial à saúde.

O fumo é prejudicial ao corpo.  

Obs: Não se aplica esta regra a nomes próprios.    
II - Nomes de lugar                  À = PARA A                                                      A = PARA                                                   Iremos à Espanha.                                                 Iremos para a Espanha.                                                 Iremos a Roma.                                                 Iremos para Roma.   III – Nomes de lugar                  VOLTEI DE = A                                                VOLTEI DA = À                                               Retornaremos à Bolívia.                                             (Voltaremos da Bolívia)                                               Iremos a Brasília.                                             (Voltaremos de Brasília)                                                                                         Iremos a Curitiba; depois, a Londrina.                                             Vim de  Curitiba , depois; de  Londrina. )                                               Fui a Minas  gerais.                                             ( vim ou gosto de Minas Gerais.)                                                                                         Entretanto: Fui à Argentina. ( Gosto ou gosto da Argentina)                                             Fui à Bahia.   ( Gosto ou vim da Bahia. )                                               Rezo a Nossa Senhora. ( Gosto de Nossa Senhora.)                                             Rezo à Nossa Senhora das  graças.(Gosto da nossa Senhora das Graças.)  

3. CRASE FACULTATIVA
               
Ocorre quando o uso do artigo é facultativo. Aplica-se nos seguintes casos:  

3.1.
 diante de pronomes adjetivos possessivos no singular:
                                
Referi-me (ou àminha irmã.

Arrependi-me de ter falado a (à ) minha mãe.
Peça desculpas a ( à) sua mãe.  

 Observação:                
Pronome Substantivo Possessivo:                              
 Refiro-me a (ou à) minha irmã e não à sua.( Aqui é obrigatório o uso da crase com o pronome substantivo possessivo.)
 

 3.2. diante de nomes de pessoas (femininos)                                
 Fiz alusão (ou à) Cecília.
              

 Obs: Caracterizados, obrigatório:                                 
Fiz alusão à belíssima Cecília.
 
 Nota: Diante de nomes femininos em que não se pode observar noção de intimidade: não ocorre crase.               

 – Fez alusão a Joana D'Arc.                
– O padre, no sermão, fez referência a Virgem Maria?


OBSERVE: havendo proximidade ou familiaridade, usa-se o artigo “a”, portanto usaremos a crase.
Ex.: Gosto da Maria das Graças.  Refiro-me à Maria das Graças.   Gosto de Maria. Refiro-me a Maria.    

3.3. 
Depois da preposição até.
                                
Fui até a (ou à) cidade.
 

4. CASOS PARTICULARES


4.1. Expressões adverbiais:
 constituídas de + palavra feminina singular. Emprega-se acento grave, excetuando-se as que indicam instrumento:
                                
Escrevo sempre a máquina. (instrumento)
                                                            
Cheguei à noite. (tempo)
                                                           
O carro entrou à direita. (lugar)
 

 Exemplos  de expressões adverbiais: à vista, à farta, à vista, à primeira vista, à esquerda, à direita, à toa, às vezes, às pressas, à força de, à custa de, à espera, à medida que, à proporção que, às escuras. ás claras, etc.( Aqui aparecem expressões prepositivas e conjuntivas também.   Ex.: Ficou à espera de todos. Faltava-nos ar

  • Facebook
  • Twitter
  • Google plus